Alguns cérebros são melhores do que outros para aprender idiomas?

05/11/2012 12:23

 

Alguns cérebros são melhores do que outros para aprender idiomas?

 

 

 

 

 

 

 

 

Em seu tempo livre, um garoto americano de 16 anos aprendeu sozinho hebraico, árabe, russo, suaíli (uma das línguas oficiais do Quênia), e uma dúzia de outros idiomas.

Teria Timoty Doner alguma capacidade especial? Mesmo que não esteja totalmente claro o nível de fluência do garoto em qualquer das línguas estudadas, poliglotas como ele certamente parecem diferentes da maioria das pessoas, que fala uma, talvez duas línguas.

Existe algo único em certos cérebros, que permite que algumas pessoas falem e entendem mais línguas do que o resto de nós? Segundo os especialistas, a resposta pode ser “sim”, “não” e “é complicado”.

Algumas pesquisas apontam que, para certas pessoas, os genes podem “preparar” o cérebro para ser bom em aprendizagem de línguas. Os estudos estão começando a identificar algumas regiões do cérebro que são um pouco maiores ou mais eficientes em pessoas que se destacam em línguas.

Para outros cientistas, porém, é mais uma questão de ser determinado e motivado o suficiente para aguentar o estudo puxado necessário para aprender novas formas de comunicação.

“As crianças fazem bem o que elas gostam”, disse Michael Paradis, um neurolinguista da Universidade McGill, em Montreal, que comparou aprender uma nova língua a aprender a tocar piano, praticar esportes ou qualquer outra coisa que requer disciplina. “Pessoas que amam matemática são boas em matemática. Timoty ama línguas e está indo bem em línguas”.

Segundo Paradis, este é apenas um caso extremo de um princípio geral. “Se você praticar e ter uma grande dose de motivação para um determinado domínio, você vai ser capaz de melhorar nesse domínio para além dos limites normais”, disse.

Crianças muito jovens são muito boas em aprender várias línguas ao mesmo tempo. Elas serão melhores em pronunciação porque podem desenvolver vários “sotaques” na língua. E daí, na idade adulta, todas as línguas aprendidas ficam “no seu próprio canto” no cérebro, sem interferir umas com as outras – ao contrário de alunos mais velhos que podem ter problemas em se lembrar de uma segunda língua quando começaram a aprender uma terceira.

A idade e os idiomas

Com a idade, porém, não só fica mais difícil aprender novas línguas, como pode até haver estágios de desenvolvimento para além do qual certas nuances da língua simplesmente se tornam inacessíveis.

Com a idade de 9 a 12 meses, por exemplo, os bebês começam a perder a capacidade de distinguir entre sons que não são usados em sua língua nativa. Após cerca de 4 anos de idade, a maioria das pessoas nunca vai ganhar uma compreensão verdadeiramente profunda sobre a morfologia de uma segunda língua, que se refere às regras que determinam como as palavras são formadas a partir de unidades linguísticas.

Após 7 anos de idade ou mais, o cérebro começa a prestar mais atenção ao que está aprendendo, o que afeta o tipo de memória que as crianças usam para entender línguas.

E para além da puberdade, torna-se improvável que alguém seja capaz de falar um novo idioma sem ter um sotaque estrangeiro (embora Doner seja impressionante nesse campo, o que pode refletir um cérebro que demorou mais para amadurecer). Não parece haver nenhum ponto de corte para a aprendizagem de vocabulário.

Linguagem e cérebro

Por mais de um século, os cientistas sabem que existem áreas-chave do cérebro, no córtex exterior do hemisfério esquerdo, conhecidas como área de Broca e área de Wernicke, que são críticas para aprender a falar e compreender a fala. Há também muitas outras áreas em todo o cérebro que processam a linguagem.

Genes, neurotransmissores e regiões cerebrais envolvidas em memória de longo prazo também desempenham um papel. E um número de diferentes estruturas provavelmente entra em jogo quando as pessoas falam uma segunda língua quando comparado a falar sua primeira língua.

Isso explicaria por que os danos cerebrais do mal de Parkinson, Alzheimer ou outros distúrbios que afetam áreas específicas do cérebro podem prejudicar apenas a língua nativa, ou apenas uma língua que foi aprendida mais tarde na vida, deixando a outra intacta. O envelhecimento também pode destacar um sotaque que antes era imperceptível.

Somente nos últimos anos os cientistas começaram a se concentrar em regiões do cérebro que parecem importar mais em ajudar poliglotas a desenvolver suas habilidades impressionantes.

Em um estudo de 2008, por exemplo, os pesquisadores descobriram melhores habilidades de aprendizagem de línguas em estudantes universitários com maior giro de Heschl, uma área do lado esquerdo do cérebro que processa afinação. Mas essa conclusão só se aplica a aprendizagem de línguas tonais como o mandarim.

Em outro estudo, publicado no ano passado, cientistas descobriram que os alunos bons de línguas tinham grande conectividade na substância branca do córtex auditivo, que faz parte da rede de linguagem.

No entanto, mesmo que pesquisas revelem indícios biológicos no cérebro de quem pode ser um melhor poliglota, ninguém está completamente fadado a ser bom ou falhar em línguas.

Nossa biologia pode simplesmente determinar qual a estratégia que devemos usar para aprender novos dialetos. Uma vez que as pesquisas encontram os preditores, as pessoas podem saber qual o tipo certo de programa de treinamento para si, para aprender novas línguas.

O campo de neurolinguística ainda é novo e, por enquanto, o processo de aprendizagem de línguas no cérebro permanece cheio de segredos.[MSN]

Fonte: http://professorjosecosta.blogspot.com.br/